Início Ciência Inteligência artificial já supera os médicos no diagnóstico de cancro de pele

Inteligência artificial já supera os médicos no diagnóstico de cancro de pele

COMPARTILHAR

Num estudo realizado recentemente, os dermatologistas detetaram com precisão 86% dos cancros de pele. Mas a máquina detetou uns impressionantes 95%.

Gostaríamos que, um dia ,a inteligência artificial fosse capaz de prevenir doenças ou, pelo menos, detetá-las precocemente. Esse dia pode estar mais perto do que imaginámos.

Um computador revelou-se mais eficaz na deteção de cancro de pele do que os próprios dermatologistas, num estudo que colocou em confronto humanos e máquinas na procura de melhores e mais rápidos diagnósticos.

Uma equipa de investigadores da Alemanha, dos Estados Unidos e da França desenvolveu um sistema de inteligência artificial e preparou-o para distinguir lesões perigosas da pele de lesões benignas, através de mais de 100.000 imagens.

A máquina foi então testada por 58 dermatologistas de 17 países, mostrando fotografias de melanomas malignos e molas benignas, acabando a maioria dos médicos por ser superada pela máquina.

Pouco mais de metade dos dermatologistas tinham mais de cinco anos de experiência – estando no nível “especialista”. 19% tinham entre dois e cinco anos de experiência e 29% eram iniciantes com menos de dois anos de experiência.

A equipa do estudo escreveu num artigo, publicado na revista Annals of Oncology, que a maioria dos dermatologistas tinha sido superada pela máquina, denominada CNN. Em média, os dermatologistas de carne e osso detetaram com precisão 86,6% dos cancros de pele das imagens, em comparação com os 95% da CNN.

Holger Haenssle, um dos autores do estudo, da Universidade de Heidelberg, na Alemanha, afirmou que “a CNN deixou escapar menos melanomas, o que significa que tem uma sensibilidade maior do que os dermatologistas”.

O desempenho dos dermatologistas sofreu uma melhoria quando receberam mais informações sobre os pacientes em questão e sobre as suas lesões na pele. A equipa de investigadores disse que a inteligência artificial pode ser uma ferramenta muito útil num diagnóstico mais rápido e fácil o cancro da pele, permitindo a remoção cirúrgica antes que se espalhe.

Contudo, afirmaram, é improvável que uma máquina substitua inteiramente os médicos humanos, funcionando como um auxílio. Em algumas partes do corpo, como nos dedos e no couro cabeludo, o melanoma é difícil de visualizar e a inteligência artificial pode ter dificuldade em reconhecer lesões atípicas ou aquelas que os próprios pacientes desconhecem.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

4 × four =