Início Ciência Foi descoberto o “primeiro grande” de todos os dinossauros

Foi descoberto o “primeiro grande” de todos os dinossauros

COMPARTILHAR

Paleontólogos argentinos fizeram uma surpreendente descoberta que revela que os dinossauros gigantes apareceram pelo menos 25 milhões de anos antes do que se pensava. Eles encontraram o “primeiro grande”, o saurópode mais antigo de todos.

Os saurópodes, dinossauros herbívoros gigantes, com pescoço comprido, já andavam pela Terra há cerca de 205 milhões de anos, no chamado período Triássico. Esta é a surpreendente conclusão a que chegaram paleontólogos argentinos depois de terem descoberto o saurópode mais antigo de todos.

Baptizado Ingentia prima – que em Latim significa “primeiro grande” -, este dinossauro viveu onde é, actualmente, o noroeste da Argentina. Com uma altura de entre 7 a 10 metros e cerca de 10 toneladas de peso, este dinossauro era três vezes maior do que os maiores dinossauros do Triássico, como referem os investigadores no artigo científico publicado no Nature Ecology & Evolution.

“Antes desta descoberta, pensava-se que o gigantismo se tinha desenvolvido durante o período Jurássico, há aproximadamente 180 milhões de anos, mas o Ingentia prima viveu no fim do Triássico, há entre 210 a 205 milhões de anos“, refere Cecilia Apaldetti, investigadora do Instituto e Museu de História de Ciências Naturais da Universidade de San Juan, na Argentina, em declarações divulgadas pelo Sci-news.com.

A análise aos fósseis de dois esqueletos parciais destes saurópodes, que foram encontrados na Formação de Quebrada del Barro, na província argentina de San Juan, permitiu apurar que a nova espécie tinha “uma estratégia de crescimento desconhecida até agora“, como sublinha Cecilia Apaldetti.

(h) Jorge A. González / Agencia CTyS-UNLaM

“Tal como as estações de crescimento podem ser observadas numa árvore, os cortes ósseos no Ingentia prima mostram que tinha um crescimento cíclico e sazonal“, explica o paleontólogo Ignacio Cerda da Universidade Nacional do Rio Negro, em declarações citadas pelo Sci-news.com.

“Mas o que é surpreendente, é que o tipo de tecido que estava depositado nos ossos, durante estes períodos de crescimento, é diferente dos outros saurópodes que conhecíamos até agora”, acrescenta o cientista.

Cerda sustenta que “o crescimento cíclico era comum entre os saurópodes do Triássico primitivo”, mas aponta que “nenhuma outra espécie excedia os 3 metros em comprimento e as 3 toneladas em massa corporal”.

“A diferença” é que o Ingentia prima tinha uma velocidade de crescimento mais rápida. E para essa circunstância contribuíam “as cavidades” dos ossos que “aliviavam o peso” da espécie e lhe permitiam “adquirir um tamanho corporal maior”, sustenta o investigador Oscar Alcober do Instituto e Museu de História de Ciências Naturais da Universidade de San Juan.

“Estas cavidades pneumáticas indicam que a nova espécie tinha sacos de ar altamente desenvolvidos e um sistema respiratório muito eficiente, semelhante ao que acontece nos pássaros modernos, que também o ajudavam a manter o seu corpo fresco, apesar do tamanho grande”, conclui Cecilia Apaldetti.

Jorge A. González

Ingentia prima, o “primeiro grande” dos dinossauros.

SV, ZAP //

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

sixteen + 8 =