Início Ciência Cientistas descobriram uma nova forma geométrica no corpo humano

Cientistas descobriram uma nova forma geométrica no corpo humano

COMPARTILHAR

(dr) Javier Buceta

Quando achamos que a ciência esgotou o seu stock de surpresas, eis que ela surge para nos apresentar o scutoid, a mais recente forma geométrica.

Os cientistas acabam de encontrar uma nova forma geométrica numa análise realizada com o objetivo de entender o formato celular dos tecidos da pele humana. Os cientistas estudaram as células epiteliais, os blocos de construção de embriões que acabam por formar a nossa pele, e descobriram o scutoid.

No fundo, os investigadores chegaram à conclusão que a forma scutoid é extremamente eficiente em manter as células bem compactadas e organizadas nas reviravoltas literais do desenvolvimento humano.

À medida que os embriões crescem, os tecidos dobram quando começam a formar órgãos. Até agora, os cientistas pensavam que as células conseguiam ficar compactadas se fossem em forma de garrafa, mas uma modelagem computacional sugeriu uma forma muito mais complexa e peculiar.

“O nosso modelo previa que as colunas e formatos de garrafa não poderiam ser as únicas formas segundo as quais as células se desenvolviam. Para nossa surpresa, esse formato nem possuía um nome na matemática. Não é todos os dias que alguém tem a oportunidade de nomear uma nova forma geométrica”, disse o bioengenheiro Javier Buceta, da Universidade Lehigh.

A responsabilidade nos ombros dos cientistas era imensa. Desta forma, a equipa decidiu procurar um nome que tivessem algum fundamento na área da biologia e eis que surgiu scutoid, em homenagem ao escutelo, uma parte do tórax de alguns insetos muito parecida com a nova descoberta por contar uma espécie de Y no centro.

De acordo com a equipa de cientistas, o Y é justamente um dos grandes destaques da nova forma geométrica. Este formato é o responsável pela elasticidade da pele humana.

Através da microscopia e imagens de computador, os cientistas confirmaram que as células encontradas nas glândulas salivares e nas células do peixe-zebra eram, de facto, de forma scutoid. Como destaca o artigo científico publicado recentemente na Nature Communications, os cientistas acreditam que as células em forma scutoid existem em qualquer parte curva das células epiteliais, até mesmo nos seres humanos.

A equipa notou ainda que o scutoid pode ter aplicações em muitos campos científicos, nomeadamente na biologia médica. Uma vez que as células em forma de scutoid são muito eficientes em permanecer juntas durante o desenvolvimento, podem ser muito eficazes no crescimento de órgãos artificiais, dado que ofereceriam estabilidade arquitetónica.

“Não é o quadrado nem o círculo, mas conseguimos nomear uma nova forma e acreditamos que este é um grande avanço em muitos aspetos”, disse Escudero ao Gizmodo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

17 − ten =