Início Ciência Cientistas afirmam: montanhas-russas podem curar as pedras nos rins

Cientistas afirmam: montanhas-russas podem curar as pedras nos rins

COMPARTILHAR

Os cientistas que descobriram que uma viagem numa montanha-russa pode ser uma forma eficaz de curar as pedras nos rins foram alguns do vencedores dos prémios Ig Nobel deste ano.

Os prémios Ig Nobel, organizados pela revista norte-americana Annals of Improbable Research, celebram investigações improváveis, estranhas mas com veracidade científica.

Este ano, conta o Independent, os vencedores na categoria da Medicina foram dois investigadores que provaram que as montanhas-russas podem ajudar a remover as pedras nos rins mais rapidamente.

O médico e professor da Michigan State University, nos EUA, David Wartinger, começou a explorar esta questão quando um dos seus pacientes verificou que uma das pedras que tinha foi expelida depois de ter andado na Big Thunder Mountain Coaster, uma montanha-russa na Disney World, na Flórida (que pode ver no vídeo abaixo).

Assim, com a ajuda do também médico Marc Mitchell, construiu um modelo do sistema renal e testou-o numa série de viagens em atrações de parques de diversões para provar esta teoria. Agora, o médico recomenda montanhas-russas “rápidas e com vários movimentos” para todos aqueles que sofrem com as pedras nos rins.

“A montanha-russa literalmente sacode a pedra solta”, explicou Wartinger ao programa Today da BBC Radio 4. “Qualquer pessoa que esteja a tentar tirar proveito da nossa pesquisa deve procurar uma montanha-russa, que não precisa de ser extremamente rápida, mas que seja rápida e com muitos movimentos para cima e para baixo e para os dois lados”, acrescenta.

“De facto, as montanhas-russas muito rápidas que andam a 100 mph e que caem a pique por centenas de metros, não funcionam muito bem”, acrescenta. “Não posso falar num consenso geral, mas posso dizer que, na última década que estamos cientes desta pesquisa, a recomendamos aos nossos pacientes com grande sucesso“.

O estudo dos dois médicos foi publicado, em outubro de 2016, pela revista científica Journal of the American Osteopathic Association.

Os prémios Ig Nobel, que geralmente distinguem investigações que “primeiro fazem as pessoas rir, e depois pensar”, também têm outras categorias como Antropologia, Biologia, Química, Educação Médica, Literatura, Nutrição, Paz, Medicina Reprodutiva e Economia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

three × five =