Início Ciência Hominídeos antigos podem ter vivido com humanos modernos na Arábia Saudita

Hominídeos antigos podem ter vivido com humanos modernos na Arábia Saudita

COMPARTILHAR

(dr) Ian R. Cartwright / Palaeodesert

Ferramentas de pedra da Cultura Acheuleana

A História da origem humana mudou de novo. A descoberta de ferramentas de pedra na Arábia Saudita sugere que os Hominídeos viveram na Península Arábica na mesma época que os Homo sapiens. Estas ferramentas fornecem evidências da presença humana onde não há fósseis para análise.

No período de 240 a 190 mil anos atrás, parentes humanos antigos viveram na Península Arábica tendo-se espalhado pelo coração da região. Esses antigos parentes humanos persistiram durante tanto tempo que poderiam ter encontrado alguns humanos modernos, como o Homo sapiens, avançaram investigadores num novo estudo, publicado recentemente na Scientific Reports.

A equipa de cientistas fez esta descoberta numa viagem à Arábia Saudita, na qual examinaram e dataram machados de pedra que esses antigos parentes humanos construíram.

Desta forma, a equipa de investigadores examinou os machados feitos pelos Hominídeos, que antecederam os Homo sapiens. “Por outras palavras, os Hominídeos fizeram a divisão entre a linha que originou os nossos ancestrais e a linha que deu origem aos ancestrais dos chimpanzés”, explicou a investigadora e autora principal do estudo Eleanor Scerri, do Instituto Max Planck para a Ciência da História da Humanidade, na Alemanha.

À Live Science, a investigadora adiantou que os Hominídeos tinham cérebros muito pequenos e fabricavam as suas próprias ferramentas. “No entanto, os Hominídeos posteriores tinham cérebros maiores e eram mais sofisticados. Em vez de baterem pedras para produzir pedaços de pedra com arestas afiadas, criaram artefactos simétricos chamados machados de mão.”

As ferramentas, habilmente moldadas, são conhecidas como ferramentas acheuleanas. Estes instrumentos, chamados de “canivete suíço da pré-história”, datam de 1,5 milhão de anos atrás, e integram a tradição de fabricação de ferramentas mais duradoura da História.

É muito raro encontrar ossos de Hominídeos. Por esse motivo, as ferramentas acheuleanas são um importante substituto para os cientistas, quando estes tentam descobrir quando e onde moravam os Hominídeos.

No entanto, não está claro que Hominídeos fizeram os machados encontrados na Arábia Saudita. “Ainda assim, os Hominídeos que foram encontrados com ferramentas acheuleanas incluem o Homo erectus, que foi, provavelmente, um ancestral direto dos humanos”, disse Scerri.

Até agora, pouco se sabia sobre os grupos acheuleanos da Península Arábica, a região entre a África e a Eurásia. Durante esta investigação, os arqueólogos reuniram-se em Saffaqah, um sítio arqueológico na província de Riad, na Arábia Saudita. Já haviam sido encontrados instrumentos neste lugar, mas durante as mais recentes escavações os investigadores encontraram mais de 500 artefactos de pedra adicionais.

Em termos práticos, a datação das ferramentas acabou por revelar que os Hominídeos viviam em Saffaqah há pouco mais de 188 mil anos, tornando-se o mais novo local acheuleano no sudoeste asiático.

Esta descoberta é importante na medida em que mostra que o acheuleano da Arábia terminou um pouco antes (ou até ao mesmo tempo) que os primeiros Homo sapiens chegarem à região. Isto supõe possíveis encontro entre diferentes espécies.

Para a datação das ferramentas, a equipa usou a datação por luminescência, um método que mede a luz que é emitida pela energia armazenada em certos tipos de rocha e solo.

“Quando os minerais são enterrados, não conseguem armazenar mais energia. Ao aquecer os minerais, a energia armazenada desvanece, e a quantidade de energia ‘esvaziada’ dá uma medida de um ponto no tempo em que esse mineral foi exposto pela última vez à luz do dia”, explicou a investigadora.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

15 − three =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.