Início Crónicas Crónica: Meus doces Jogos Desportivos… entre as árvores de São Lourenço a...

Crónica: Meus doces Jogos Desportivos… entre as árvores de São Lourenço a nossa “champions” era preparada

COMPARTILHAR

Quando somos donos de tenra idade tudo tem uma dimensão maior. Recordo-me com imensa saudade dos grandiosos jogos desportivos, sim aqueles que comparado com o que existe actualmente é o mesmo que comparar a dimensão do nosso país com a dimensão do continente europeu.

O fervor das freguesias estava no auge, o burburinho aumentava à medida que o dia de arranque dos jogos se aproximava. Nessa altura éramos de Paiva mas sim da freguesia em que vivíamos. Garbosamente lutávamos até à exaustão para somar troféus para a nossa terrinha. Cresci na “cosmopolita” Ladroeira, o sangue bairrista corria nas veias e para mim a ADC Bairros era uma força incrivel, fosse qual fosse a modalidade lá iam os bairristas atrás de troféus e mais troféus! Tenho na minha memória imagens nítidas das provas de ciclismo, o largo de conde explodia com Bairros em peso a delirar de alegria com a tenacidade do nosso grande Marçal e de uma restante equipa fora de série! Quantas lágrimas correram pelo rosto das pessoas de Bairros ao mesmo tempo que a bicicleta tremia em cada paralelo daqueles metros finais em frente à nossa câmara Municipal. Recordo-me também da alegria que era acompanhar a prova do nosso inquebrável Carlos Silva, passada atrás de passada lá ia o emblema de Bairros a caminho de mais uma vitória e de mais uma celebração!

Até o torneio da malha era vivido com um entusiasmo que dificilmente se irá repetir. Os torneios de pesca eram acompanhados com interesse inaudito… tantas e tão boas memórias.

E de repente a minha memória leva-me a 93 ou 94, já andávamos a alguns anos atrás do título no futebol. Naquele ano o torneio era organizado pelo Real e os jogos realizavam-se no Campo da Mó, jogo atrás de jogo as vitórias foram aparecendo. Quando demos por nós estávamos em primeiro e na penúltima jornada jogávamos com o Sobrado (uma espécie de Real Madrid na altura, excelentes jogadores (Padeiro e Nunes por exemplo) e pouca equipa), pois mas nesse jogo claudicamos e perdemos 2-1! Entregamos de bandeja o título à freguesia de Sardoura, passei esse Domingo a chorar (nada de novo, sempre que o Bairros perdia eu chorava…) e a lamentar com o meu amigo inseparável Raul Freitas que aquilo que tantas vezes desejávamos ia mais uma vez fugir! Na semana seguinte, logo pela manhã acordava eu preparado para o jogo com a freguesia de S.Martinho, seria à tarde enquanto que de manhã o Sardoura iria, com certeza, ser campeão no jogo frente ao Sobrado! O meu Pai, que nunca foi de desistir, perto da hora do almoço ligou para um café de Sardoura e de lá veio a notícia fantástica que o Sardoura tinha perdido… Corri para o telefone, liguei ao Freitas e gritamos de alegria os dois ao telefone (como se não tivessemos de ganhar o nosso jogo à tarde!!!). A notícia correu a freguesia e nesse domingo de tarde o Campo da Mó recebeu aquela que talvez tenha sido até hoje a sua maior assistência, Bairros estava lá em peso! Sentimos uma força enorme, ao intervalo vencíamos por 2-0, na segunda parte o S.Martinho ainda fez o 2-1 e assim ficou o jogo! Depois do apito final foi uma enorme explosão de alegria agarramo-nos, choramos (foi chocante para mim ver o meu Pai chorar), o Claudio (sim esse mesmo, o Costinha) beijava tudo o que lhe aparecia pela frente e o Pereira (Grande Artur, abraço para Angola) só queria era que jogássemos ao som da música! Foi incrível, ainda hoje fico com pele de galinha quando recordo esses momentos e muita gente deve recordar!

Para onde foi o ambiente mágico que rodeava esta competição? A partir de Setembro os jovens (penso que até aos 18 anos) da freguesia juntavam-se no largo de São Lourenço, onde por entre árvores e driblando os socalcos do terrenos íam preparando a equipa para uma verdadeira champions…quem se lembra do ringue com o cimento todo partido onde tentávamos escapar a uma perna ou cabeça partida? Hoje em dia quem era o pai que deixava o filho jogar naquele sítio?

Infelizmente tornaram-se recordações longínquas, mas são inesquecíveis, estou grato a todos os que acompanhavam os filhos da terra e tornaram possível esses momentos… e que bem sabiam aquelas tiras de entrecosto que faziam a ementa do convívio que sempre realizávamos na Sede da ADCB… Saudades, muitas saudades

Termino citando o nosso hino “Bairros, oh Bairros / Tanta força tanta energia / Bairros, oh Bairros / Tu és a nossa alegria”!.

Que um dia seja possível voltar a ter uns Jogos Desportivos como Castelo de Paiva merece.

Saudações Desportivas

Vitor Moreira – Treinador UEFA A + Elite Youth


  • Espaço livre para publicações de crónicas e poemas. Os textos não são editados nem alterados.
  • A responsabilidade pelo texto aqui redigido é inteiramente do autor e seu envio é registado via assinatura digital. 
  • Tens uma crónica ou um poema? Enviem-nos para [email protected] ou por mensagem em nossa página no Facebook 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

ten − eight =