Início Crónicas Poema: Amor verdadeiro

Poema: Amor verdadeiro

COMPARTILHAR

Eu sei que tudo quanto sinto,
Só eu sinto.
Eu sei que para ti já não existo,
Que há muito se desfez o teu sentir.
Mas…
Eu não consigo,
Por muito que tente, e tento,
Eu não consigo deixar de viver em mim
Tudo quanto foste para mim,
Tudo quanto um dia me deste,
Tudo quanto ficou e não desaparece.
Parece loucura, eu sei,
Mas não é.
É somente o verdadeiro amor,
É a contradição da minha dor.
Mas, eu sei..
Que já não pensas em mim.
Mas, doidamente, eu sei…
Que não consigo esquecer-te.

É mais forte do que eu
O sentimento que arde dentro de mim.
É todo o meu viver, eu sei…
A paixão que renasce em mim, por ti.

Que posso fazer? Não sei…
Por muito que procure, não encontro.
Por cada negação que a mim imponho, resisto,
Eu sei…
Que não consigo libertar-me de ti.
Não me é permitido abandonar o teu olhar.
Parece loucura, eu sei…
Mas não é,
É somente o querer do verdadeiro amor.
Eu sei…
Que não percorremos a mesma estrada,
Que os nossos sentimentos são opostos,
Mas não consigo, eu sei, abdicar,
De sonhar que as estradas não tem fim,
De seguir em frente sem pensar em ti.
Parece loucura, eu sei..
Será obsessão? Não é.
É somente o verdadeiro amor.

Paulo Semide – Poeta


  • Espaço livre para publicações de crónicas e poemas. Os textos não são editados nem alterados.
  • A responsabilidade pelo texto aqui redigido é inteiramente do autor e seu envio é registado via assinatura digital. 
  • Tens uma crónica ou um poema? Enviem-nos para [email protected] ou por mensagem em nossa página no Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

2 × 5 =