Início Crónicas Pesquisador e filósofo fala sobre a tristeza e a depressão em entrevista...

Pesquisador e filósofo fala sobre a tristeza e a depressão em entrevista para rádio brasileira.

COMPARTILHAR
O escritor, pesquisador e filósofo paivense Fabiano de Abreu em entrevista à radio brasileira ‘Tua Radio, falou sobre a depressão, seus sintomas, e o que sua pesquisa aponta como causa, assim como possíveis tratamentos.
 
A ciência já tem comprovado os efeitos fisiológicos da depressão, e que esta vai muito além de uma simples tristeza. A depressão é uma doença que atinge a milhões de pessoas ao redor do mundo, e ja é considerada como o mal do século 21: silenciosa, de difícil diagnóstico e socialmente cercada de tabus e desinformação.
 
O Pesquisador e filósofo paivense Fabiano de Abreu é um estudioso do assunto, e tem compartilhado seus pensamentos e reflexões sobre o tema, em palestras, fóruns e participações em rádios e veículos de mídia da América do Sul e da Europa. Recentemente, em entrevista à Tua Rádio, emissora de rádio da região sul do Brasil, Fabiano falou sobre as conclusões que suas pesquisas tem chegado sobre o assunto e de como tratar a questão da depressão.
 
Fabiano, que também é jornalista e assessor de artistas, tem a sua volta pessoas dos mais variados contextos. Este contato com o mundo das celebridades de forma aprofundada, em contraste com o mundo das pessoas comuns, traz uma concepção diferenciada sobre os motivos que levam pessoas que são ricas e famosas a também estarem sujeitas a deprimir-se, o que mostra que nem sempre o sucesso é sinónimo de felicidade.
 
Fabiano também é autor do livro “Viver Pode Não Ser Tão Ruim”, um livro de frases filosóficas com interpretações simples para o dia a dia. A proposta da obra é apresentar ao leitor frases motivacionais, no intuito de auxiliar na busca de uma plenitude; seja da paz, felicidade, ou contínuos momentos de leveza sentimental. 
 
Durante a entrevista, Fabiano conscientiza o ouvinte de que existe um ponto de partida para a depressão: “a tristeza pode começar, momentânea, e tornar-se crónica. Assim, pode consumir-nos e instalar-se em nossa mente, e assim tornar-se uma doença. Quando chega a esse nível, então faz-se necessária ajuda médica. Para vencê-la, é preciso acreditar em nossa capacidade de sair de situações difíceis, e não criar pânico devido ao problema que ocasiona a tristeza, e assim extrair forças da fraqueza.”
 
Para o filósofo, ninguém é tão soberano a ponto de achar que está livre disso, e que possui um auto-controle tão poderoso: “Contudo, o simples fato de acreditar que sua força interior o impede de deixar ser dominado pela tristeza, ja é um incentivo para que realmente seu inconsciente lute contra esse mal. A auto-doutrina é um combustível para que tenhamos metas infinitas em nossa vida, para ocupar o vazio que abrem as comportas para a entrada da tristeza. Quando existe um motivo, e temos consciência do motivo, já possuímos um antídoto para a cura. O antídoto pode não ser um remédio, um medicamento, e sim atitudes”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

19 − one =