Início Cultura Sociedade Portuguesa de Autores quer Zeca Afonso no Panteão

Sociedade Portuguesa de Autores quer Zeca Afonso no Panteão

COMPARTILHAR

Cinquentenário da escola José Afonso Cavaquinhas

Os restos mortais do músico José Afonso, “uma das figuras mais marcantes da história da vida cultural e artística portuguesa”, devem ser trasladados para o Panteão Nacional, propõe a Sociedade Portuguesa de Autores (SPA).

“É este o tributo e é esta homenagem que Portugal deve a quem como mais ninguém o soube cantar em nome dos valores da liberdade, da democracia, da cultura e da cidadania”, lê-se no comunicado da Sociedade Portuguesa de Autores (SPA).

Assim, a SPA “assume publicamente o compromisso de lutar por este legítimo e inadiável ato de consagração que deverá coincidir com os 90 anos do nascimento [de José Afonso] e com os 45 anos do 25 de Abril”.

A SPA acrescenta que “Zeca Afonso é uma das figuras mais marcantes da história da vida cultural e artística portuguesa que influenciou as gerações que se seguiram à sua, tanto do ponto de vista artístico como do político e do moral”.

“Além do compromisso que assumiu com as suas canções na luta pela liberdade e pela democracia, tendo estado preso em Caxias em abril e maio de 1973, Zeca Afonso merece ter os direitos da sua obra preservados e edições que representem o seu extenso e inigualável repertório”, justifica.

O ano passado, no âmbito dos 30 anos da morte de José Afonso (1929-1987), debateu-se o facto de ser desconhecido o paradeiro das bobinas originais de gravação de José Afonso.

Na altura, o Ministério da Cultura, numa declaração à agência Lusa, afirmou que era “importante a preservação” do património fonográfico de José Afonso e disse estar a “apurar o paradeiro das gravações”.

“O gabinete do ministro da Cultura foi informado do interesse na salvaguarda da obra discográfica de Zeca Afonso por parte da Associação José Afonso, nomeadamente das ‘masters’ que pertenceriam à Movieplay [Portuguesa]”, declarou à Lusa fonte oficial.

Também na mesma ocasião, a SPA realçou a “urgência da reedição da obra” de José Afonso, questão sobre a qual alertou o ministro da Cultura, para que obtenha o “estatuto de património cultural”.

“O presidente da SPA [José Jorge Letria] propôs ao ministro da Cultura [Luís Filipe Castro Mendes] uma intervenção no sentido de se assegurar a competente e adequada reedição da obra discográfica, por se tratar de uma referência obrigatória da nossa vida cultural e cívica”, indicou a SPA.

No comunicado hoje emitido, a SPA reclama, em nome dos autores portugueses, a trasladação dos restos mortais de José Afonso, sepultados em campa rasa no Cemitério de N. S. da Piedade, em Setúbal.

A SPA volta a recordar a obra do autor de “A Morte Saiu à Rua” e defende a sua “preservação”, “em articulação com os herdeiros de José Afonso”, “contra a negligência e incapacidade dos editores que a deixaram gravemente dispersa e abandonada“.

“Zeca Afonso é um símbolo que nunca poderá ser esquecido ou ignorado, embora nunca se tenha batido por atos de consagração e de reconhecimento. Devem ser hoje as novas gerações a aplaudir e a louvar a obra do homem que deixou uma marca perene e profunda na vida cultural e cívica de Portugal”, remata a SPA.

Fonte: ZAP

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

two × five =