Início Cultura Câmara do Porto paga 2,5 ME para ficar com as 85 obras...

Câmara do Porto paga 2,5 ME para ficar com as 85 obras de Miró em Serralves

COMPARTILHAR

Jean-Louis POTIER / Flickr

A Câmara Municipal do Porto anunciou hoje que vai pagar anualmente 100 mil euros à Fundação de Serralves, pelo prazo de 25 anos, para que a Coleção Miró seja protegida e promovida nacional e internacionalmente.

Em comunicado, na segunda-feira, a Câmara Municipal do Porto referia que as três partes iriam apresentar “os detalhes dos acordos relativos ao destino da chamada Coleção Miró”, enquanto o Governo mencionou os “termos dos acordos de cedência” do conjunto de obras.

Em entrevista à Rádio Renascença, na manhã de quarta-feira, a ministra da Cultura revelou que foi estabelecido “um acordo de cedência entre o Estado e o município do Porto” das obras de Miró que ficarão sob a tutela da Câmara durante 25 anos.

Depois do acordo estabelecido entre o Estado e o município, a Câmara Municipal do Porto e a Fundação de Serralves acordaram que os 85 quadros de Miró pertencentes ao Estado vão ficar em Serralves, “pelo mesmo período de 25 anos, em exposição ao público”.

A Câmara Municipal do Porto compromete-se ainda a financiar, até um milhão de euros, as obras de ampliação, remodelação ou conservação da Casa de Serralves, que receberá a exposição permanente das obras de Miró.

“Queria agradecer ao senhor primeiro-ministro o empenho que teve e à presidente do conselho de administração de Serralves também pelo empenho”, declarou o presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, na cerimónia de assinatura dos protocolos assinados entre Governo, Câmara do Porto e Fundação de Serralves.

Por seu lado, o primeiro-ministro, António Costa, declarou que a “razão fundamental por ter sido escolhido o Porto” prende-se com o facto de se querer potenciar e diversificar o acesso à cultura.

Há mais país para além de Lisboa e num momento de projeção nacional e da atividade turística é natural que reforcemos a capacidade criativa e a cena artística do Porto”, referiu o primeiro-ministro, explicando ainda que Serralves foi a instituição escolhida porque não era necessário criar uma nova instalação para acolher as obras do artista catalão.

A apresentação foi feita esta quarta-feira, na Câmara Municipal do Porto, pelo primeiro-ministro, António Costa, e pela ministra da Cultura, Graça Fonseca, naquela que foi a primeira aparição pública da sucessora de Luís Filipe Castro Mendes na tutela, contando também com a presença do presidente da autarquia, Rui Moreira, e da presidente da Fundação de Serralves, Ana Pinho.

Antecedentes

Em dezembro de 2015, o primeiro ministro da Cultura do atual Governo, João Soares, disse ter proposto à Fundação de Serralves que a primeira exposição das obras do catalão Joan Miró provenientes do antigo BPN se realizasse naquele espaço.

Depois de, já em julho de 2016, Rui Moreira ter declarado que o Porto tinha condições para receber a coleção, dois meses mais tarde António Costa confirma que o conjunto de peças do artista catalão iria ficar mesmo na cidade.

“O Governo já tomou a decisão de fixar definitivamente na cidade do Porto a famosa coleção dos quadros de Miró de forma a que o Porto possa ter um novo polo de atratividade que ajude a consolidar e a reforçar a que tem tido ao longo dos últimos anos”, afirmou António Costa.

O presidente da Câmara do Porto revelou, dias depois do anúncio do primeiro-ministro, que o espaço para acolher a coleção Miró seria a Casa de Serralves, onde já estava patente no âmbito da exposição “Joan Miró: Materialidade e Metamorfose”.

“Depois de uma prudente ponderação, entendi que esta coleção notável, coerente e indissolúvel, agora sob a tutela da Câmara Municipal do Porto, não poderia, de momento, ficar em melhor lugar do que aqui na Casa de Serralves”, declarou Moreira, na altura.

“Com a pronta concordância da fundação, posso agora revelar que este novo polo cultural do município ficará instalado nesta casa maravilhosa e queria também dizer que o senhor arquiteto Siza Vieira já aceitou o encargo de transformar esta casa de tal forma a que a coleção possa ficar aqui de forma permanente”, acrescentava Rui Moreira.

Segundo Rui Moreira, em outubro de 2016, o acordo com a Fundação de Serralves previa “a presença da fundação no futuro do Matadouro, em Campanhã, que a autarquia vai transformar num centro de desenvolvimento cultural, social e económico“.

No relatório com as contas da autarquia para 2016, o presidente da câmara destacava, entre os projetos lançados, “a conceção do Museu Miró, sustentado na coleção que o Porto conquistou e de que a Câmara do Porto se responsabilizou, em parceria com a Fundação de Serralves”.

Já no final do ano passado, a Câmara do Porto disse que assumiria os encargos com manutenção e seguros da coleção.

A coleção de Joan Miró em causa inclui um total de 85 obras, datadas entre 1924 e 1981, nas quais se encontram desenhos e outras obras sobre papel, pinturas (com suportes distintos), além de seis tapeçarias de 1973, uma escultura, colagens, uma obra da série “Telas queimadas” e várias pinturas murais.

Fonte: ZAP

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

twelve + six =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.