Início Economia Ryanair avisa que greve dos tripulantes pode reduzir aviões nas bases em...

Ryanair avisa que greve dos tripulantes pode reduzir aviões nas bases em Portugal

COMPARTILHAR

“Se estas greves desnecessárias avançarem, vão perder salário, prejudicar o bom nome dos tripulantes de cabine da Ryanair junto dos nossos clientes e teremos que rever o número de aeronaves atualmente baseadas em Portugal”, lê-se no documento assinado por Eddie Wilson, responsável pelos recursos humanos da companhia aérea.

O Sindicato Nacional Do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) convocou uma greve de tripulantes de cabine da Ryanair para quinta-feira, domingo de Páscoa e quarta-feira (dia 04 de abril), porque as conversações com a transportadora de baixo custo “verificaram-se infrutíferas”.

O mesmo responsável notou que essas deslocalizações de aviões poderão acontecer quando os aviões puderem ser desviados “para bases fora de Portugal e continuar a operar nessas rotas”.

No documento enviado aos trabalhadores na quarta-feira, Eddie Wilson notou que “em vez de aceitar” o memorando e o convite para uma reunião a 09 de abril, o SNPVAC enviou uma notificação da greve na quinta-feira e no domingo.

O responsável da transportadora irlandesa de baixo custo voltou a acusar tripulantes de outras companhias de marcarem a greve, sublinhando que o memorando enviado na segunda-feira ao SNPVAC “já reconhece o sindicato, concorda incorporar a lei portuguesa nos contratos existentes e propõe negociar um acordo coletivo de trabalho” na reunião de abril.

A transportadora refere que fora do acordo ficam os trabalhadores subcontratados às empresas Crewlink e Workforce, que “concordaram negociar separadamente com o SNPVAC”, assim como não será revista a gestão de processos disciplinares, por estarem dentro da lei europeia e irlandesa.

O responsável notou o “trabalho árduo” dos tripulantes, a quem pediu para “levarem em consideração os clientes e as suas famílias e não perturbar as suas férias da Páscoa” ao realizarem uma greve “desnecessária e injustificada”.

“Esperamos que os nossos tripulantes de cabine não permitam que elementos de tripulação de companhias aéreas concorrentes perturbem os planos dos clientes Ryanair e respetivas famílias durante esta quinta-feira de Páscoa bastante movimentada”, concluiu a Ryanair, no comunicado.

O sindicato garante que a empresa não aceita aplicar a Lei Portuguesa” nomeadamente os direitos inscritos na Constituição e no Código de Trabalho, como a parentalidade, nem parar os “processos disciplinares porque não se atingiram quotas de vendas a bordo”, assim como deixar de considerar uma baixa médica por doença como uma falta injustificada.

Lusa

Fonte: SIC

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

twelve − two =