Início Ciência Marcha imparável de mortíferas viúvas-negras está a apoderar-se do Canadá

Marcha imparável de mortíferas viúvas-negras está a apoderar-se do Canadá

COMPARTILHAR

Judy Gallagher / Flickr

Aranha Latrodectus variolus, a famigerada viúva-negra

O habitat das criaturas potencialmente letais de oito patas estendeu-se em mais de 48 quilómetros nos últimos 12 anos, e aparentemente nada pode ser feito para as conter.

Segundo um estudo publicado a semana passada na revista científica PLOS One, as famigeradas viúvas-negras estão a avançar de forma inexoravel, povoando cada vez mais densamente algumas regiões do Canadá. De acordo com os autores do estudo, a migração é provocada pelo clima quente.

A viúva-negra (Latrodectus variolus) tem um veneno extremamente poderoso, que provoca violentas dores musculares, náuseas e até mesmo a paralisia diafragmática, podendo levar à morte.

A presença de viúvas-negras na regiões do norte do Canadá tem aumentado de forma constante nas últimas cinco décadas, e o habitat da aranha expandiu-se para norte em mais 48 quilómetros.

“A contribuição dos cidadãos que nos enviaram dados sobre avistamentos de aranhas foi essencial para conseguirmos mapear o habitat e definir a distribuição destas espécies”, afirmou Christopher Buddle, professor da Universidade McGille e co-autor do artigo. “Esta contribuição da comunidade está a mudar a forma como fazemos ciência”.

Segundo o estudo, a superfície terrestre está a tornar-se cada vez mais quente, criando nas regiões até agora mais frias do norte do país as condições necessárias para as aranhas se reproduzirem.

Além das temíveis aranhas que invadiram agora as vastas paisagens do norte canadiano, também têm sido avistadas colónias de viúvas-negras próximo do Wisconsin, na região dos grandes lagos no norte dos Estados Unidos, zona que nunca antes tinha sido referenciada como habitat da espécie.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

seventeen + 15 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.