Início Ciência McDonalds vai reduzir uso de antibióticos na produção da carne

McDonalds vai reduzir uso de antibióticos na produção da carne

COMPARTILHAR

A resistência aos antibióticos representa uma ameaça à saúde global e à segurança alimentar. Quanto mais antibióticos são dados ao gado, mais rapidamente as bactérias podem adaptar-se e tornar-se resistentes.

Quando se trata de reduzir o uso de antibióticos, tem havido muito progresso na indústria avícola. Em 2015, o McDonalds anunciou um plano para proibir os fornecedores de frango de usar antibióticos que são importantes para o tratamento da saúde humana. Muitas outras cadeias alimentares fizeram o mesmo.

Agora, o McDonalds diz que usará a sua escala maciça para reduzir o uso de antibióticos em vacas que fazem parte da sua oferta global de carne bovina. “Pessoalmente, acho que este é provavelmente o projeto mais ambicioso que o McDonalds já adotou”, diz Bruce Feinberg, diretor sénior que supervisiona os sistemas globais de qualidade de proteínas e produtos lácteos.

A empresa medirá o uso de antibióticos nos seus dez principais mercados de carne bovina, incluindo os EUA, Brasil e Nova Zelândia – e, em seguida, estabelecerá metas de redução até o final de 2020.

Ambientalistas estão a aplaudir o compromisso. “O McDonalds é a primeira grande cadeia de hambúrgueres a anunciar uma política abrangente de redução do uso de antibióticos para toda a carne vendida nos seus restaurantes – e a maior, de longe”, escreve Lena Brook, do Natural Resources Defense Council.

O NRDC diz que, numa altura em que cerca de 40% dos antibióticos medicamente importantes vendidos no setor pecuário nos EUA vão para a indústria de carne bovina, “abordar o uso excessivo na produção de carne bovina é fundamental para combater a resistência aos medicamentos“.

O Fundo de Educação dos EUA, PIRG, um grupo de defesa do consumidor e mais de 80 outros grupos de partes interessadas pediram que a cadeia cortasse o uso rotineiro de antibióticos. Em maio, alguns destes grupos entregaram uma petição ao McDonalds durante uma reunião de acionistas com mais de 150 mil assinaturas.

Feinberg, do McDonalds, explicou que tem sido difícil determinar quais antibióticos – e quantos – são usados ​​na produção de carne bovina. “Descobrimos que não há muita informação disponível globalmente”.

“A cadeia de fornecimento de carne bovina é bastante fragmentada e complexa“, diz Karin Hoelzer, do The Pew Charitable Trusts. Com o frango, é comum que “a mesma entidade lide com tudo, desde a eclosão até o abate”, diz Hoelzer. Mas com o gado, “há muitas entidades diferentes envolvidas na produção de carne bovina, durante um longo período de tempo”.

Durante o processo de transporte, as vacas podem se tornar vulneráveis ​​ao que é conhecido na indústria como febre de transporte, o que justifica usar antibióticos.

O McDonalds diz que o objetivo agora é monitorizar os fornecedores de carne bovina e relatar o seu uso de antibióticos. Depois, a empresa vai estabelecer metas de redução específicas de mercado para fornecedores em cada país.

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças nos EUA, pelo menos 2 milhões de pessoas contraem uma infeção resistente a antibióticos a cada ano e pelo menos 23 mil pessoas morrem.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

six + 5 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.